DENTISTA - da série Profissões

Dentista é uma ótima profissão para quem gosta de falar sem ser interrompido. Você coloca um tubo de sucção na boca do paciente, ou um chumaço de algodão para imobilizar a reação do outro, e pode escolher o assunto de sua preferência: futebol, política, Big Brother...
Antigamente, quando aparecia alguém com dor de dente a solução era simples. O cara abria a caixa de ferramentas, pegava um alicate, metia o pé no peito do pobre coitado e liquidava a questão.
Com o advento da broca elétrica, uma espécie de minibritadeira, o dentista começou a abrir buracos nos dentes dos pacientes e botar os micróbios pra correr. Aí, fazia uma faxina geral e tapava com argamassa, quer dizer, com uma massinha especial. Se você gostava de brincar de massinha de modelar quando criança, vai gostar de ser dentista. Ou, ainda melhor, vai adorar ser protético.
Tiradentes é reconhecido como um dos grandes vultos da História do Brasil, não por suas habilidades de dentista, mas por participar de um movimento político que, entre outras coisas, reivindicava uma mudança na cobrança de impostos por parte do Império, que chegavam ao absurdo de 20%. Foi parar na forca e o problema não foi resolvido. Apesar de termos evoluído para uma República, nossa carga tributária continuou crescendo e já está beirando os 40%. Ou seja, apesar do sacrifício do Mártir da Independência, estamos cada vez mais com a corda no pescoço.
Voltando à dentadura. Dentista sempre foi o horror das crianças (e de muitos adultos). Era um ser mitológico, comparável ao Bicho Papão e usado para assustar as criancinhas que não queriam escovar os dentes: “vou te levar no dentista pra você ver o que é bom”. Ou a pior das ameaças: “não é obturação, não! Vai ter que fazer tratamento de canal!”.
Com a invenção da anestesia, a imagem do dentista melhorou bastante. Mesmo assim, não vejo muitos jovens falando em fazer Odontologia. Aliás, é uma das minhas preocupações atuais. Quem vai cuidar dos nossos dentes, quando ficarmos velhinhos?
Minha esperança é que com o avanço da tecnologia - que já nos deu o iPad e a TV em 3D – a broca elétrica seja definitivamente aposentada e a visita ao dentista passe a ser um acontecimento agradável, prazeroso.
Broca de dentista é uma das piores invenções da humanidade. Quer dizer, tenho que reconhecer que foi um avanço. O alicate sem anestesia era muito pior.

21 comentários:

  1. Bom, sendo cirurgião dentista, achei o texto péssimo... Com erros fortes... Broca elétrica, o que seria isso? Massinha?? Mas tudo bem, porém acho que antes de falar de uma profissão tão lindao, deve-se conhecer um poquinho mais a respeito!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Giovani...creio que não acompanhas este blog com freqüência!!Deu pra perceber que não captou o espírito do post.

      Excluir
    2. É uma crônica, não artigo científico. Parece que ficou sentido com o bom humor.

      Excluir
    3. A profissão é linda sim, Giovani, mas artigos sérios, de cunho científico tem lugar apropriado.
      E viva o bom humor!!!

      Excluir
  2. Parabéns Kledir. Sempre me divirto com seus posts!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo!Pelo menos uma pessoa de discernimento aqui.

      Excluir
  3. Sei que tentou ser divertido e irônico... Mas o teu comentário está muito longe da realidade atual, pelo jeito deve fazer mais de 30 anos que não vai ao dentista, ou troca de dentista porque nos últimos 30 anos ele não deve ter se atualizado. Você sabia que quase 20% (!) dos dentistas do mundo são brasileiros? Infelizmente o seu comentário sobre não existirem mais jovens querendo ser dentista também está longe da realidade. Gostaria que fosse é verdade, mas a cada ano surgem novas faculdades de odontologia entupindo o mercado de jovens infelizes. O Conselho Federal de Odondotologia tenta impedir a abertura de novos cursos, mas a política do MEC é para achatar cada vez mais o mercado, transformando a mão de obra em muito barata, já que o governo não investe quase nada em saúde bucal.

    ResponderExcluir
  4. Esta ai uma das coisas mais bobas e sem um pingo de fundamento que a li. As faculdades de odontologia estao lotadas! O brasil 'e o pais com o maior numero de dentistas do mundo. Kleber, meu caro, a quantos anos vc nao vai ao dentista? alguma vez ja foi em um?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai te informar Claudia, nem o nome do autor tu sabe, vai querer postar aqui.
      Quanto mal humor!!!!

      Excluir
  5. Gostaria de solicitar que me adicionar (Kledir) no face para que eu possa lhe colocar à frente da real situação da odontologia atualmente.Possuímos um grupo, exclusivo de dentista, que lhe serviria de referência para uma futura matéria, associados ao CRO e CFO, ou seja, com total credibilidade e veracidade nas informações lá contidas. Urge que a verdade seja exposta e não apenas pontos de vista e opiniões isoladas, quiça desatualizadas.
    Grata
    Mara Passos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colega, não acredito no que li acima.Não deve ser intenção do Kledir se informar da real situação da odontologia.Referência para futura matéria?Publicações sérias, de cunho científico ou informativo são feitas pelos órgãos competentes.Aqui trata-se de um texto irônico, bem humorado. O Kledir já fez textos assim sobre várias profissões e nunca foram criticados dessa maneira. Que gente mais mal humorada esses meus colegas!
      Desculpa Kledir, acho que eles querem "coisas sérias", acho que estão no lugar errado!

      Excluir
  6. Postado a pedido do Dr Flávio Cunha:
    Querido Kledir
    Como Cirurgião dentista e músico( ex Cordas & Rimas) gostaria comunicar ao a ti a repercussão negativa que o teu texto refletiu sobre a nossa classe. Você como compositor e interprete da música popular gaúcha influenciou e marcou muito a juventude que hoje oscila entre os 45 a 60 anos. Acredito que nos tempos de "guri"na cidade de Pelotas ou ao arredores ( Canguçu e Arroio Grande) os dentistas locais( cirurgiões dentistas) eram conhecidos como um verdadeiro "carrasco" como vc cita no seu texto, sabemos que alguns pais ameaçavam seus filhos ( ignorância-infantil) quando faziam alguma travessura dizendo" Ai piá!!! caso tu não pares com isso..... levo ao "Dr.Quino Neves( para os que não conhecem grande engenheiro interprete da músiva Vento Negro). Além disso, muitos pessoas da nossa geração que moravam no interior tiveram seu "debut odontológico" em cadeiras tipo de barbeiro com motor movido a pedal.. Só que os tempos passaram!!! A profissão que escolhemos e amamos saiu a muitos tempo da era jurássica. Os conceito sobre o diagnóstico e tratamento evoluíram geometricamente, fazendo da nossa profissão um atrativo para jovem.
    A grande maioria dos colegas que saíram dos bancos escolares recentemente fazem um curso de especialização, mestrado ou doutorado antes de completar 5 anos de profissão( que era uma raridade nos tempos que você sai no bloco dos almôndegas).
    A bioengenharia,computação gráfica , nanotecnologia já estão a anos fornecendo resultados maravilhosos para a classe a décadas. Até os filhos de dentistas há muito também deixaram até de brincar os as tal " massinhas de modelar"!!! Os tempos mudaram meu " véio amigo".. ""DEU PRÁ ODONTOLOGIA" do passado!!!!"" Podes ficar tranqüilo que quando ficares bem velhinho e caso necessitares de um tratamento de última geração , haverá sempre um grande jovem para tratá-lo. Um abraço fraternal do admirador flávio cunha ou cacaio ....
    há 37 minutos · Curtir (desfazer) · 5

    ResponderExcluir
  7. Faço as palavras do Colega Flávio Cunha as minhas palavras.

    ResponderExcluir
  8. Também faço minhas as palavras do mestre e colega Flávio Cunha.

    ResponderExcluir
  9. Meu Deus!!!!!Sou dentista e fico até envergonhada com os comentários que li aqui.Ou vocês realmente não conhecem o Kledir e sua obra ou vou ficar achando que a minha classe é a mais mal humorada que pode haver.Eu adorei o texto, como todos do Kledir.E fiquem tranquilos que em momento algum foi intenção dele menosprezar a nossa categoria.Acompanho os post sobre as profissões e me divirto muito.
    Ah, e tem uma tal de Claudia que chama o Kledir de Kleber, só para constar, nem o nome do autor a criatura sabe!
    Rose Onofre

    ResponderExcluir
  10. Monólogo bom só no teatro e olhe lá. Eu gosto da minha dentista porque a conheço desde menina. Se for pra ouvir qualquer som, prefiro que liguem a TV. Como disse alguém lá no Pai Invisível, eu sou do tempo em que se cantava afinado. Conversa de dentista é praticamente ruído.
    Entre a broca e a boca nem sei com qual fico.

    ResponderExcluir
  11. Uma maneira divertida de falar dos dentistas e ao mesmo tempo descrever tão importante profissão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kledir você já escreveu sobre bibliotecários ou alguma bibliotecária que conhecestes?
      Essa profissão o qual escolhi é cheia de "não me toques"...teu blog vai travar ...kkkk beijos

      Excluir
  12. É meu amigo Kledir, estamos na era do politicamente correto e de uma censura que está barrando até o seu humor inofensivo. O mundo está cada vez mais chato, ficam sentidinhos com qualquer coisa! Humor com limites... fala sério..

    Adorei o texto, agora não tenho mais medo por causa da dor, mas do mal humor dos profissionais. hahahaha.

    Beijos Querido!

    ResponderExcluir
  13. É isso aí Aline.O texto é ótimo, meus colegas infelizmente são mal humorados.
    Não vi nenhum outro profissional reclamando do texto referente às suas profissões.Só meus colegas, cheios de "não-me- toques".
    A odontologia é uma classe desunida onde um tenta derrubar o outro, falta coleguismo e porque não dizer há muita falta de ética (claro que não são todos,longe de mim generalizar).Mas se querem críticas sérias...essa é a verdade.Ao invés de criticar o texto do Kledir, deviam se preocupar em lutar por nossos direitos.
    Eu adorei o texto,graças a Deus sou bem humorada e adoro o Kledir.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Definitivamente, trata-se de um texto de humor. Aliás, de muito bom humor. Interpretá-lo ao "pé-da-letra" é mera demonstração de estultícia.

    Abraço ao Kledir.

    ResponderExcluir